Diário Ateísta

Estreei-me hoje como colaborador do Diário Ateísta.

Embora nem sempre estivesse de acordo com o caminho seguido em alguns dos artigos ali escritos, nunca deixei de considerar o DA como a referência essencial do ateísmo em língua portuguesa.

Espero estar à altura de uma prestação que contribua para um DA dinâmico, incisivo e pluralista, contribuindo, assim, para a promoção de um mundo menos cinzento e obcecado com o misticismo.

O Desafio Small Brother

13 Rezas

Small BrotherEu tinha dito que não iria insistir na questão do aborto, mas as pressões são muitas…

O Small Brother iniciou há uns dias um desafio aos apoiantes do “SIM” e do “NÃO”. Aqui ficam as minhas respostas.

1. Concorda com a realização do referendo e a formulação da pergunta?

Enquanto defensor de um modelo de democracia mais participativa tenho de concordar com a realização do referendo. Tenho dúvidas da sua honestidade, uma vez que se o resultado em 1998 tivesse sido favorável ao “SIM”, provavelmente, não teríamos agora este referendo.

A formulação da pergunta é uma aberração de tal forma é aberta e obscura. Responder “SIM” é ficar sem saber uma série de aspectos importantes da futura lei. Já referi esses pontos num post anterior (http://heldersanches.com/2006/11/14/aborto-parte-1/).

2. Considera que as mulheres que abortam antes das 10 semanas de gestação deverão ser efectivamente condenadas a penas de prisão? E depois das 10 semanas?

Para mim, não faz qualquer tipo de diferença se o aborto é feito antes ou depois das 10 semanas uma vez que as consequências do acto são sempre as mesmas. Acho, no entanto, que a condenação efectiva é perfeitamente desnecessária. Seria mais sensato a obrigatoriedade de frequentar aulas de formação em educação sexual e planeamento familiar. Já em relação a quem executa (parteiras, médicos, curiosos) e é pago para isso, tirando partido monetário do desespero alheio, concordo com a aplicação de penas efectivas.

3. Concorda com as excepções da actual lei?

Sim, parecem-me equilibradas.

4. Considera a pílula do dia seguinte um método abortivo? Concorda com a sua utilização?

A pílula do dia seguinte não é um método abortivo porque, em último caso, impede o óvulo de se fixar nas paredes do útero e, sem que tal aconteça, a gravidez não o é. Concordo, portanto, com a sua utilização.

5. Caso o Não vença e o referendo não seja vinculativo, aceitaria a realização de um novo referendo nos próximos 10 anos?

Sim, mas espero que se comece, entretanto, a ser mais imaginativo com as matérias que vão a referendo. É evidente que o mesmo é válido caso vença o “SIM”. Ou não?

E pronto. Está respondido ao desafio. Fica aqui o link para outros artigos sobre o aborto:

Na chamada imprensa escrita proliferam as publicações dedicadas à escandaleira, à fofoca e à má-língua. De uma forma geral, essas publicações são isentas de conteúdo interessante e sobrevivem graças à misteriosa curiosidade da populaça pelas vidas (des)interessantes das figuras mais ou menos públicas.

Quem estiver realmente interessado em aprender algo sobre determinada matéria ou em ler um ensaio sobre qualquer tema do seu interesse basta olhar para as capas das referidas publicações para saber quais são aquelas a evitar.

Lamentavelmente, muito do que é escrito em sites e blogues cujo tema central é o ateísmo utiliza exactamente as mesmas técnicas da imprensa cor-de-rosa: escandaleira, fofoca e má-língua! E isto - pasme-se - é verdade tanto a nível nacional como a nível internacional. Os padres pedófilos, os bispos gays, etc…

Considero que a mensagem do ateísmo, a divulgação de um pensamento humanista, racional e naturalista, para ser eficiente, não deve seguir o caminho fácil de expor constantemente as contradições das religiões ou a hipocrisia dos seus representantes ao ridículo. Se bem que todas essas contradições e hipocrisias sejam reais, utilizá-las como principal argumento parece-me inconsequente e resultam num esforço inglório.

Entendo o ateísmo como uma ausência total de fé ou crença em qualquer tipo de poderes sobrenaturais; não o encaro como uma necessidade de explorar as contradições ou hipocrisias de qualquer tipo de organização baseada na fé ou na crença de qualquer tipo de poderes sobrenaturais. A meu ver, qualquer religião organizada tem sempre a sua estrutura baseada nalgum tipo de fé ou crença. Desmistificar essas bases será muito mais eficiente do que a exposição ao ridículo de partes da estrutura que ecoará sempre como um slogan propagandista aos ouvidos de qualquer crente que se digne.

Essa desmistificação só poderá ser conseguida através do estímulo ao raciocínio, da divulgação da ciência e da promoção de uma visão naturalista do mundo. Tudo o resto é infrutífero e poderá ter, precisamente, o resultado contrário ao desejado.

A Bíblia, O Corão e o Consultório Sentimental da Revista Maria

2 Rezas

Ao enviar um convite aos meus contactos de email introduzidos no ThunderBird para visitarem este meu blog incluí, também, os destinatários de uma mailing list de que sou o administrador.

Eis o conteúdo do convite:

“Penso, logo sou Ateu.Para que a religião deixe de ser tratada como se não fosse uma alucinação colectiva, bloqueadora da lógica, do raciocínio, da evolução do pensamento humano e estranguladora das liberdades individuais.”

Estás convidado/a a aparecer e a discordar. Aparece.
Até breve,
Helder Sanches

Passadas poucas horas, a primeira reacção na forma de email:

Com uma afirmação básica destas assim deixo esta lista.

OK, meu, ‘tás à vontade! Mas, uma reacção elaborada como essa tinha que ter resposta:

Tem, obviamente, todo o direito de o fazer! Tem, ainda, todo o direito de qualificar o conteúdo da minha mensagem conforme lhe apetecer. Como vê, sou muito mais tolerante em relação a si do que o inverso.

Tem, também, no entanto, a obrigação de saber interpretar o texto que lhe foi enviado antes de reagir - utilizando a sua expressão - tão basicamente; o convite foi feito para quem discorda, de forma a trocar ideias, experiências, visões e interpretações do mundo de que todos fazemos parte. Se houve quem dissesse “faça-se Luz”, eu digo antes “Discuta-se, para que se faça Luz”! Só aparece quem quer, claro está.

No entanto, se me permite, deixo-lhe um conselho: se, efectivamente, não gosta de “afirmações básicas” evite, a todo o custo, titulos como “A Bíblia”, “O Corão” e o consultório sentimental da “Revista Maria”!

O convite, esse, claro está, fica de pé! Apareça!

Um abraço ateu,

Helder Sanches

Isto não tem, obviamente, importância nenhuma! Excepto, claro, se tivermos em conta que demonstra bem o tipo de hostilidade que existe em relação ao ateísmo. Uma vez que eu no meu convite não me referi a nenhuma religião em particular, qualquer carapuça serve para o efeito. E nem vamos falar na abertura de espírito que esta gente tem para o debate.

Contudo, há um lado positivo neste episódio! Provocou em mim uma necessidade de esclarecer os menos arrojados visitantes do raciocínio que suporta o chavão criado para este blog - “Penso, logo sou ateu”. Brevemente, num blog próximo de si.

Nice To Blog You

Deixar uma reza

Nos últimos dias tenho andado atarefadíssimo a colocar no ar mais um blog. Digamos que este blog irá ser assim uma espécie de diário dos métodos e técnicas que vou descobrindo diáriamente sobre a arte de bem bloggar.

Nice To Blog You é o seu nome. Passem por lá.

The Vomit Awards

1 Reza

“The Vomit Awards” estão a chegar! Fiquem muito atentos… É uma questão de dias.

Pirataria Abrupta

Deixar uma reza

O Abrupto, blog de Pacheco Pereira, tem sido alvo nos últimos dia de acções de pirataria informática sendo, periodicamente, substituído por um outro tipo de conteúdo que não o original.

Pacheco Pereira não se convence de que estará a ser alvo de um qualquer hacker tailandês que encontrou uma falha no sistema de segurança do Blogger e decidiu embirrar com ele. Parece-me que Pacheco Pereira faz muito bem! Aliás, não circula na net nenhuma informação relativamente a um aumento suspeito de pirataria no Blogger logo, convenhamos, porque diabo iria o tal hacker embirrar com um blogger de um país de que, provavelmente, apenas conhece a palavra “Figo”?

Já é para mim mais difícil de compreender a razão pela qual quem leva a sério o blogging opta por sistemas tipo Blogger. Não oferecem garantias absolutas de continuidade, são limitadas nas opções e estão, efectivamente, mais sujeitas à curiosidade dos tais hackers, qualquer que seja a sua nacionalidade.

Sugiro, pois, que Pacheco Pereira se decida por criar um domínio próprio, use uma plataforma mais fiável para o seu blog (WordPress Movable Type, entre outros) ou então que pare com a choramingueira.

← Pág. Anterior