Sobre a Associação Humanista Secular

No pró­ximo sábado irá ocor­rer um encon­tro entre Huma­nis­tas que irá deba­ter a neces­si­dade e opor­tu­ni­dade de se avan­çar for­mal­mente para a cons­ti­tui­ção de uma Asso­ci­a­ção Huma­nista Secu­lar em Por­tu­gal. Após vários anos com reu­niões infor­mais mas regu­la­res, chega a hora de arre­ga­çar as man­gas e ten­tar por em prá­tica tudo o que se tem vindo a dis­cu­tir ao longo desse período.

Como é sabido, nós por­tu­gue­ses temos um fraco índice de ade­são aos movi­men­tos asso­ci­a­ti­vis­tas. Não pre­tendo neste texto fazer as aná­li­ses his­tó­ri­cas ou cul­tu­rais para esse fenó­meno, pre­tendo, isso sim, apon­tar as razões pelas quais con­si­dero de maior impor­tân­cia lutar con­tra essa rea­li­dade quando se fala de uma Asso­ci­a­ção Huma­nista Secular.

Por­tu­gal é um país com enor­mes carên­cias na oferta de solu­ções de apoio à popu­la­ção não reli­gi­osa que pre­tende viver as suas vidas o melhor que pode, tendo como bali­zas de com­por­ta­mento uma ati­tude ética base­ada na razão e na huma­ni­dade. Ao longo de pra­ti­ca­mente toda a sua his­tó­ria, a Igreja Cató­lica (ICAR) tem sido pre­pon­de­rante na acti­vi­dade de apoio social, com­ple­men­tando e, mui­tas vezes mesmo, subs­ti­tuindo o Estado. Embora seja indis­cu­tí­vel a impor­tân­cia que a ICAR terá tido ao longo da his­tó­ria na esta­bi­li­za­ção de algum tecido social em Por­tu­gal, actu­al­mente uma parte cres­cente da nossa soci­e­dade já não se revê nos prin­cí­pios dessa cum­pli­ci­dade entre Estado e a Igreja. Existe toda uma visão do mundo que nos rodeia e da forma como com ele e nele que­re­mos inte­ra­gir que não se coa­duna mais com a visão sobre­na­tu­ral ofe­re­cida pelas reli­giões em geral e com a ICAR em particular.

Uma Asso­ci­a­ção Huma­nista Secu­lar deve exis­tir para garan­tir e defen­der os inte­res­ses da popu­la­ção não crente, defen­dendo uma coo­pe­ra­ção huma­nista base­ada em valo­res éti­cos, nos Direi­tos Huma­nos, no desen­vol­vi­mento cien­tí­fico que pro­mova a melho­ria da qua­li­dade de vida das gera­ções actu­ais e das gera­ções futu­ras, assim como na pro­mo­ção e defesa da sepa­ra­ção do Estado e da Igreja, defen­dendo um Estado laico e desa­fi­ando, expondo e cri­ti­cando os bene­fí­cios e pri­vi­lé­gios das reli­giões, bem como qual­quer tipo de des­cri­mi­na­ção base­ada na reli­gião, crença ou ausên­cia destas.

Para além dos pon­tos cita­dos no pará­grafo ante­rior, a Asso­ci­a­ção Huma­nista Secu­lar deverá aju­dar os seus asso­ci­a­dos e outros Huma­nis­tas que o soli­ci­tem na pro­cura de ser­vi­ços alter­na­ti­vos às ceri­mó­nias nor­mal­mente (ou cul­tu­ral­mente) mono­po­li­za­das pelas reli­giões. Como cele­brar um veló­rio ou uma home­na­gem a um cida­dão não crente? Como cele­brar o nas­ci­mento de um novo mem­bro da famí­lia sem recor­rer ao bap­tismo? Como cele­brar ade­qua­da­mente um casa­mento ou uma união fora da esfera reli­gi­osa? Como dar apoio no luto sem que quem sofre se tenha que ajo­e­lhar? Ou mesmo, como trans­mi­tir um sen­ti­mento de inte­gra­ção social sem ter que ir a uma igreja?

Como é claro, existe uma panó­plia muito diver­si­fi­cada de cam­pos de acção para uma Asso­ci­a­ção Huma­nista Secu­lar. Claro está que tudo isto só se con­se­gue com uma forte dose de volun­ta­rismo, caro­lice e tra­ba­lho. Está nas mãos de todos nós a ajuda que este pro­jecto neces­sita. Está na cabeça de todos nós deci­dir­mos o quão impor­tante poderá ser a exis­tên­cia de uma asso­ci­a­ção que defenda estes inte­res­ses. Está na nossa agenda o pró­ximo sábado à tarde. Encontramo-nos sábado?

Local: Vox Café (Voz do Ope­rá­rio) — Rua Voz do Ope­rá­rio, 13 — Lis­boa
Hora: 16h00
+info no Mee­tUp: http://www.meetup.com/ateismo-humanismo-lisboa/events/190036362/
Goo­gle Maps: https://www.google.com/maps/place/ESCOLA+A+VOZ+DO+OPER%C3%81RIO/@38.7156124,-9.1291118,17z/data=!3m1!4b1!4m2!3m1!1s0xd1933898aefa523:0x10b829f04528eaaa?hl=en

Par­ti­lha!
    associativismo humanismo

    Deixar uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: