Jamendo — boa música grátis, quer dizer, de borla

Jamendo

Jamendo — toda a música que pre­cisa, de borla

Uma das gran­des van­ta­gens das novas tec­no­lo­gias é que não per­mi­tem que alguns mono­pó­lios se eter­ni­zem. Ao dis­po­ni­bi­li­za­rem novas fer­ra­men­tas, pro­vo­cam dina­mis­mos no mer­cado ante­ri­or­mente ine­xis­ten­tes. A inter­net, as redes peer-to-peer e o mp3 por um lado e as fer­ra­men­tas digi­tais para cri­a­ção e pro­du­ção de música por outro, revo­lu­ci­o­na­ram com­ple­ta­mente o pro­cesso cri­a­tivo e de dis­tri­bui­ção do pro­duto final musical.

Mais do que isso, alte­ra­ram o con­ceito de pro­duto final. Só que algu­mas pes­soas ainda não repa­ra­ram ou sim­ples­mente estão dema­si­ado assus­ta­das para o admi­tir. Até há algum tempo atrás, o pro­duto final da música era a cópia do registo fono­grá­fico da obra, vulgo disco, cas­sete, etc. Hoje em dia, já não é assim. A livre dis­tri­bui­ção de música pela net, embora ile­gal segundo os para­me­tros “medi­e­vais” de alguns, pro­vo­cou uma alte­ra­ção rele­vante no con­ceito de pro­duto final; já não é o disco que se pre­tende ven­der, mas sim o espec­tá­culo ao vivo e, em alguns casos, ape­nas a publi­ci­dade no web­site de pro­mo­ção musical.

Por outro lado, existe uma nova opor­tu­ni­dade para à “caro­lice” ser dado o esta­tuto artís­tico. Fazer música por pra­zer, mesmo que essa não seja a prin­ci­pal fonte de ren­di­mento, e ver o tra­ba­lho reco­nhe­cido, não pelo número de com­pra­do­res de um disco ou CD, mas pelo número de visi­tas a um web­site ou pelo número de down­lo­ads de um mp3. Afi­nal, sem­pre foi essa a prin­ci­pal moti­va­ção de qual­quer artista que se preze.

Isto e muito mais pode ser facil­mente cons­ta­tado no Jamendo. Vari­e­dade, quan­ti­dade e qua­li­dade, tudo de borla. Vale bem a pena uma visita.

Algu­mas reco­men­da­ções de esti­los diversificados:

  • Kolo­kón — Rock’n’Roll Patxuko
  • Ruth The­o­dore — Worm Food
  • Hype — Lies and Speeches
  • Kil­ling Jazz — Kil­ling Jazz
  • Slim — Inters­tate Medicine
Par­ti­lhar este artigo:

Outros arti­gos idênticos:

  1. Susto Infor­má­tico
  2. A lata de deus (ou deus enlatado)
  3. IVG — Importa Votar, Gente!
  4. Música Ateia
  5. So Long, 25 anos
Esta entrada foi publicada em Arte & Cultura com as tags , , . ligação permanente.

6 Respostas a Jamendo — boa música grátis, quer dizer, de borla

  1. Xiquinho diz:

    Qual jumento, qual cara­puça… Boa música e à borla só aqui…

  2. Helder Sanches diz:

    Isso é pira­ta­ria, meu caro. Grande tretas…

  3. xiquinho diz:

    Pois ai é que tu te enga­nas… Se uti­li­zas­ses um brow­ser a sério irias veri­fi­car in loco que podes ouvir, mas não podes fazer o down­load. Assim tipo table dance, podes ver, mas sem mexer… Era o que fal­tava, arris­car um pro­cesso em cima da minha Milu…

  4. Helder Sanches diz:

    Pre­sumo, por­tanto, que pagas licença para a difu­são digi­tal das obras em causa, certo? E depois, diz-me lá, qual é a gra­ci­nha do table dance? Ver sem mexer não tem muita graça, digo eu…

  5. Xiquinho diz:

    licença de difu­são digi­tal? o que é isso? Aqui em Cacau não há nada disso… deviam era de pagar a mim por­que difun­dir música desta qua­li­dade é ser­viço público. E o mon ami des­co­nhece os pra­ze­res do voyeu­rism? Tens que me fazer uma visita para eu te levar a uns sitios…

  6. Helder Sanches diz:

    É melhor não… Posso gos­tar, depois já não volto e tenho muito que fazer por estes lados!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Pode usar estas tags HTML e atributos: