Gostei tanto deste texto do Ricardo Silvestre no Portal Ateu que passo a colocá-lo aqui na íntegra com a devida vénia:

From this day to the ending of the world,
But we in it shall be remembered-
We few, we happy few, we band of brothers;
For he to-day that sheds his blood with me
Shall be my brother; be he ne’er so vile,
(Shakespeare, Henry V)

Este fim-de-semana estiverem juntas 5 pessoas que acontece serem ateístas.

Se não fosse essa filosofia de vida, muito possivelmente nunca se teriam encontrado: teriam se calhar se cruzado nas ruas de Coimbra, ou do Porto, ou de Lisboa, mas a probabilidade de não identificarem naquela pessoa a condição que agora as aproxima é muito elevada.

Mas assim não foi neste caso.

E assim se encontraram, assim se conheceram pessoalmente, assim cruzaram ideias e convicções, assim passaram momentos de distracção, assim passaram momentos de fraternidade.

Jantaram juntos à mesma mesa, sentaram-se no mesmo espaço do Bairro Alto, encontraram-se num largo com uma igreja como cenário, se sentaram em ciclo de amizade e partilha à frente de uma mesa bem posta, bem guarnecida, bem oferecida: com dedicação e num primor de bem receber.

E estes ateístas se conheceram melhor: com mais ou menos cabelo, com roupas mais ou menos coloridas, com mais ou menos perímetro da cintura, com linguagens mais ou menos complicadas, com frases mais ou menos estapafúrdias.

Foram trocados argumentos sérios, foram contadas histórias inacreditáveis, foram ditas banalidades, foram partilhadas crenças e filosofias de vida.

Falou-se em música, em geologia, em cinema, em arte, em ciência. Falou-se de sociedade, em gastronomia, em cevada, e pasme-se (o horror, o horror!!) em karaoke.

E assim se despediram. Mais convictos que não estão sós. Convencidos que o ateísmo pode ser uma fonte de inspiração, de encanto, de propósito. Contentes por participarem num objectivo comum, e de poderem ter tido a oportunidade de passar para além de um écran ou de uma voz num telefone.

Carpe diem, “band of brothers”.

* por Ricardo Silvestre no Portal Ateu

Carpe diem, Ricardo! Obrigado.