A Doença da Religião

Pode-se ler em dois dos blogs que fre­quento dia­ri­a­mente – Diá­rio Ateísta e Ran­dom Pre­ci­si­ons – o mesmo texto de Luís Grave Rodri­gues, “Um Pro­blema de Saúde Pública”. Neste texto, Luís Grave Rodri­gues con­si­dera as con­sequên­cias da Fé uma doença e um caso grave de saúde pública.

Ora, ateu como eu sou, pode­ria pensar-se que con­cor­da­ria com a aná­lise feita pelo autor. No entanto, não con­cordo e passo a expli­car porquê.

Não vejo da mesma forma quem tem Fé e acre­dita num ou mais deu­ses com os mes­mos olhos com que vejo quem, moti­vado por essa mesma Fé ou por outros moti­vos mais obs­cu­ros, pra­tica uma reli­gião, seja ela qual for.

A Fé indi­vi­dual é um direito que não colide nem belisca a liber­dade do pró­ximo. Mui­tos indi­ví­duos consideram-se cren­tes sem pro­fes­sa­rem qual­quer reli­gião. Esses, pode­rão andar enga­na­dos, mas não me afec­tam. Todos temos o direito de acre­di­tar naquilo que qui­ser­mos, sem ter­mos neces­si­dade de impor essas mes­mas cren­ças aos outros e os outros, nes­sas con­di­ções, não têm, por seu lado, que se impor­tu­na­rem com aquilo em que acreditamos.

Já em rela­ção às reli­giões, essas sim, con­si­dero tratarem-se, se não de um caso de saúde pública, pelo menos sin­to­má­ti­cas de alguma infec­ção nos pro­ces­sos de tole­rân­cia. Isto por­que, con­forme Luís Grave Rodri­gues sali­enta, não existe reli­gião que não tente impor os seus méto­dos e pro­ces­sos, inde­pen­den­te­mente de quão retró­gra­dos ou irra­ci­o­nais, à soci­e­dade em que está inserida.

Assim, ao não dife­ren­ciar a reli­gião orga­ni­zada da crença indi­vi­dual a que todos têm direito, Luís Grave Rodri­gues “pecou” por excesso.

O sim­ples facto de ser ateu, não me faz sen­tir com direito de “pre­gar” a minha dou­trina – ou falta dela – seja a quem for. No entanto, isso não me cega ao ponto de não saber dis­tin­guir quem tenta, por seu lado, impor-me as suas pró­prias dou­tri­nas. A reli­gião tenta fazê-lo, o indi­ví­duo crente, nor­mal­mente, não. De qual­quer forma, nem uns nem outros têm qual­quer hipótese.

Par­ti­lhar este artigo:

Outros arti­gos idênticos:

  1. Lúcia in the Sky
  2. Só um Pequeno Comentário
  3. Uma (di)Visão para a Europa — Decla­ra­ção de Bruxelas
  4. O que fazer aos outros?
  5. Onde estão as diferenças?
Esta entrada foi publicada em Religião, Sociedade. ligação permanente.

2 Respostas a A Doença da Religião

  1. Máquina Zero diz:

    Luís Grave Rodri­gues? Mas esse é o advo­gado ue patro­cina a causa mais frac­tu­rante da actu­a­li­dade, o casa­mento das duas lés­bi­cas, que não foi aceite pelo notário…

  2. Tjda diz:

    É ateu ou e anti cató­lico é que pela ima­gem é o que dá a entender

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Pode usar estas tags HTML e atributos: